REDUC

O Setembro Amarelo, que será desenvolvido ao longo do mês em Santo Ângelo, é um movimento mundial de conscientização que busca a prevenção do suicídio e alerta a população sobre essa realidade. As ações são desenvolvidas em diferentes países e tem como data de destaque o dia 10 de setembro – Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Esse evento iniciou no Brasil através do trabalho do Centro de Valorização da Vida, o Conselho Federal de Medicina e a Associação Brasileira de Psiquiatria.

PROGRAMAÇÃO

Em Santo Ângelo, um grupo de trabalho vem organizado a programação do Setembro Amarelo. Uma reunião foi realizada na Secretaria Municipal de Saúde para tratar deste assunto. Participaram do encontro a coordenadora da Unidade de Saúde Mental do Hospital Santo Ângelo, Mabel Konzen, a coordenadora do CAPS AD, a psiquiatra Ione Russi, a enfermeira da Fase, Carmem Suze, a coordenadora do setor de Saúde Mental da 12ª CRS, Ana Luísa München, a psicóloga da Fase, Stela Welter, a psiquiatra do HSA, Greta Nazário Viana, a coordenadora municipal de Saúde Mental, Lori Makvitz, e a coordenadora do CAPS 2, Diana Konzen.

De acordo com a médica psiquiatra, Mabel Konzen, ficou definida a seguinte programação para o mês: no dia 16 de setembro haverá Olimpíada de integração da RAPS, nas dependências do CAPS AD.

No dia 18 de setembro será feita a distribuição de material informativo e caminhada com saída às 10 horas na Praça do Brique.

E no dia 30 de setembro, no Centro Municipal de Cultura, haverá uma tarde de formação com a atenção básica sobre a prevenção do suicídio. Essa atividade será desenvolvida das 13h30min às 17 horas.

COMITÊ DE SAÚDE MENTAL

A criação do Comitê de Saúde Mental será oficializada durante a realização do “Setembro Amarelo”. Essa foi a definição do recente encontro entre o prefeito Valdir Andres com o secretário de Saúde, André Kissel, a médica psiquiatra do Hospital Santo Ângelo, Mabel Konzen, o coordenador do curso de psicologia da URI, José Vicente Nunes de Alcântara, a coordenadora do Centro de Atenção Psicossocial 2 (CAPS2), e a psicóloga Lori Makvitz.

 

Foto: Cristiano Devicari