Médica Mabel Konzen  e Sheila Beatriz Steidl

A Unidade de Saúde do Hospital Santo Ângelo atende dezenas de pacientes de toda região, dentro da área de abrangência da 12ª Coordenadoria Regional de Saúde. A informação é da médica psiquiatra, Mabel Konzen, responsável pelo serviço de psiquiatria do HSA.

Mabel explica que do número total de pacientes atendidos, cerca de 70% são pessoas com problemas relacionados ao consumo de álcool e drogas (principalmente o crack). “Os demais casos são pessoas com problemas de humor, ansiedade, psicose e outros distúrbios”, conta.

 

ESTRUTURA
Ao todo são 21 leitos para o atendimento de pacientes pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A unidade também conta um posto de enfermagem, uma sala de recreação, um refeitório e uma área ao ar livre. Durante a internação, os pacientes recebem atendimento com acompanhamento médico/psiquiátrico diário, além dos serviços de enfermagem, psicologia e assistência social quando há necessidade.

EQUIPE MULTIDISCIPLINAR
Os pacientes são assistidos por uma equipe multidisciplinar de saúde mental. Atuam no setor quatro médicos, duas enfermeiras, uma psicóloga, uma assistente social, 11 técnicos de enfermagem e uma secretária. Os profissionais da unidade possuem especialização na área.

ENCAMINHAMENTO DE PACIENTES
Geralmente as pessoas com problemas psiquiátricos são encaminhadas ao HSA pela 12ª Coordenadoria Regional de Saúde. No entanto há casos de encaminhamentos após atendimento médico do paciente no hospital, em internações de urgência e emergência.

TRATAMENTO
Além do uso de medicamentos são desenvolvidas algumas atividades manuais e artesanais, no pátio da unidade, quando as condições psíquicas e físicas dos pacientes permitem. A equipe realiza semanalmente trabalho em grupo com os familiares de dependentes químicos ou de álcool.
As pessoas atendidas na unidade recebem cinco refeições diárias, com cardápio supervisionado por nutricionista que elabora uma dieta balanceada. Após a internação, todos os pacientes são encaminados a Centros de Atenção Psicossocial (CAPs) ou comunidades terapêuticas da cidade e região para dar continuidade ao tratamento.

TEMPO DE INTERNAÇÃO
A médica Mabel Konzen diz que o tempo de duração da internação é variável e depende de cada caso, de acordo com as patologias tratadas. “O hospital, em caso de dependência química, a liberação do paciente ocorre dentro de 15 a 20 dias após a internação. Esse é o tempo necessário para o processo de desintoxicação do organismo. Para outros transtornos, geralmente é possível a alta em intervalo menor de tempo. O número de pacientes internados por mês gira em torno de 30 pessoas”, conta a médica.